Autor: Arthur Ferraz

Muitas vezes, na pressa e na rotina dos treinamentos e competições, o atleta passa pelas conquistas e os fracassos sem tempo para avaliar os resultados de seus esforços e os motivos que foram determinantes para o resultado final alcançado. Existe sempre o próximo treino, a próxima prova e as avaliações são normalmente apenas instantâneas e simples. Ou o resultado foi bom, ou foi ruim.

Nestes momentos são comuns vitórias seguidas, que enchem os atletas de motivação para continuar treinando, de energia para vencer o cansaço e de confiança para enfrentar e vencer qualquer adversário. Nestes momentos o atleta se coloca inconscientemente em um estado de ânimo tão positivo que quase como por inércia os bons resultados tendem a se repetir cada vez mais. Parece que tudo dá certo para ele, a sorte está do seu lado, e os desafios parecem simples e fáceis.

Por outro lado também são comuns os períodos difíceis, onde as derrotas e os maus resultados se repetem. Tudo parece difícil, duro, inalcançável, as coisas dão errado e o atleta não consegue sair desta situação, parece preso em areia movediça, quanto mais luta para sair, mais se afunda. Neste momento os pensamentos negativos se estabelecem na consciência do atleta e falta-lhe motivação, energia e confiança para lutar pelos seus objetivos.

É óbvio que a primeira situação é muito melhor que a segunda, mas a falta de consciência durante qualquer uma destas situações faz as possibilidades de aprendizado e crescimento do atleta, igualmente limitadas em qualquer um dos cenários.

Desta forma é fundamental que possamos tomar consciência dos aspectos que influenciam nossos resultados e estar constantemente aprendendo tanto com as derrotas, quanto com as vitórias. Estes aspectos estão ligados a hábitos produtivos, escolhas e caminhos que buscamos a cada ação que realizamos em direção ao objetivo final. Na busca por bons resultados devemos estar constantemente positivos em um ciclo virtuoso de ações e pensamentos.

Normalmente falamos da importância de aprender com os erros, mas quantas vezes realmente paramos após um fracasso e realmente procuramos refletir sobre suas reais causas, sem criar desculpas para os outros ou para nós mesmos, colocando a culpa no equipamento, na condição da prova, no treino, na alimentação ou em qualquer outra condição externa?

Além disso normalmente há uma limitação em se aprender apenas com os erros. Apenas depois de um fracasso é que o atleta vai tentar ver o que deu errado, nos momentos de sucesso ele apenas comemora e retoma sua rotina. Mas que momento melhor para aprender do que com os acertos?

Vamos dizer que existem 100 maneiras diferente de realizar uma atividade. Concentrado nos erros e no que não fazer o atleta poderá cometer 99 erros até aprender a forma correta de realiza-la. Quando ele se concentra no que fazer e nas coisas que deram certo este aprendizado se dá de forma muito mais rápida. Além disso, o atleta começa a perceber quais os fatores que realmente influenciam sua performance final, e que se repetem em todas as situações de sucesso. Dessa forma ele passa a controlar melhor seu desempenho, com a capacidade de cultivar hábitos e comportamentos produtivos e potencializá-los através de suas ações conscientes.

De maneira simplificada poderia levantar quatro aspectos inter-relacionados, que influenciam diretamente os desempenhos e resultados dos atletas em competição. É difícil ordenar sua importância, mas como meu trabalho atua mais diretamente com as questões cognitivas começo sempre com o PENSAMENTO.

É fundamental manter o pensamento positivo diante de todos os aspectos envolvidos no esporte. Confiar nas próprias capacidades, nos treinos, na evolução, encarar os desafios como oportunidades, como chances para crescer e se superar. Estes aspectos nos garantirão uma perspectiva positiva em relação à atividade e em relação à própria vida, diminuindo o peso das dificuldades e o tamanho dos obstáculos.

Este pensamento positivo nos leva ao segundo aspecto, as ATITUDES. Pensamentos positivos aumentam a probabilidade de apresentarmos atitudes positivas.

Atitudes positivas são aquelas ligadas aos valores de produtividade e crescimento. No esporte, diretamente, são as atitudes que ajudam o atleta a evoluir. É o trabalho duro, o esforço, a dedicação, disciplina, forçar os limites, persistir, e todos os aspectos necessários na formação de um grande atleta. Estas atitudes, quando realizadas de forma intencional e com empenho irão influenciar o próximo aspecto envolvido na performance, o RESULTADO. Atitudes positivas aumentam a probabilidade de alcançarmos resultados positivos.

Aqui entramos na situação que descrevi no início do texto, quando entramos em uma seqüência de resultados positivos começamos, quase de forma inconsciente, a entrar em um estado positivo tal que tudo parece ser mais fácil e tanto os obstáculos começam a parecer menores, quanto os resultados aparecem de forma mais natural. E quando falo em resultados não me limito aos resultados de competição, mas também aos mais simples resultados conquistados através das atitudes positivas. E como o resultado é a finalidade da prática esportiva, os resultados positivos nos conduzem ao último aspecto, as EMOÇÕES positivas. Os resultados positivos, principalmente quando são resultado de todo o processo descrito aqui, produzem as emoções positivas.

E afinal são as emoções positivas que nos dão tanto prazer em continuar trabalhando em busca de nossos objetivos, são aquelas sensações de dever cumprido, de capacidade, de realização de alegria. São os sentimentos que reforçam a autoconfiança, a auto-estima do atleta e que em última instância estão relacionados ao conceito de FELICIDADE.

Então fechamos o ciclo virtuoso quando os sentimentos positivos influenciam os pensamentos do atleta. Um atleta confiante, com grande auto-estima, feliz e se sentindo capaz de conquistar seus objetivos, mantém naturalmente os pensamentos mais positivos diante de qualquer situação.

Por outro lado, este aspecto se repete da mesma forma no sentido inverso quando não cuidamos com cuidado de todos estes aspectos. Quando começamos a pensar de forma negativa somos levados a atitudes negativas, que causam resultados negativos, nos trazem emoções negativas e nos afundam cada vez mais nos pensamentos de incapacidade, inferioridade e medo diante dos desafios.

O sentido deste ciclo pode ser influenciado por qualquer um dos aspectos levantados, em qualquer momento, por isso a atenção a eles é tão importante. Um resultado muito bom pode tirar o atleta imediatamente de uma situação ruim, assim como uma prova alvo malsucedida pode arrastá-lo para baixo.

Da mesma forma atletas em boas fases de vida, treinando em equipes motivadas acolhedoras e apoiadoras, ou com boas relações familiares e sentimentais tendem a apresentar melhores estados e performances. Cada aspecto da vida e do treino deve ser feito com dedicação e cuidado e cada problema tratado com a seriedade e a atenção devida.

Por isso é tão importante pensarmos onde estamos deixando nossa cabeça nos levar. Se temos controle sobre o que pensamos, se cultivamos atitudes produtivas, se estamos buscando a felicidade de forma correta e fazendo com que nossas conquistas nos impulsionem cada vez mais a frente. Afinal o desempenho é resultado de todo um processo objetivo e específico e não resultado do acaso, e quanto maior o controle sobre o processo, maior a probabilidade de sucesso. Podemos escolher nos tornarmos conscientes de nossas ações, ou não, mas de qualquer forma seremos responsáveis por seus resultados. Cabe-nos então a escolha de compreender e controlar os aspectos envolvidos para que não nos tornemos apenas reféns da sorte, ou do azar.

 

Arthur Ferraz é psicólogo pela PUC-SP, Especialista em psicologia do esporte, responsável pela preparação mental de atletas olímpicos de diferentes modalidades nos jogos de verão e inverno. Psicólogo do Clube Paineiras do Morumby, já trabalhou com as confederações de desportos aquáticos e desportos de inverno. Pratica triathlon há 17 anos, somando 13 IRONMANS e 4 participações em Kona.